Archive for novembro \30\UTC 2008

h1

Rá!

30/11/2008

Eu disse que minhas piadas serviam para o Kibeleoco, só precisava ser mais rápido.

Dois dias de vantagem para mim.

“Duvida? Então clique aqui.”

h1

Troféu Bambi

27/11/2008

trofeu-bambi

Dai, vi na Folha Online – por sugestão do meu chapa Jubash – que o “Lewis Hamilton, campeão da temporada de 2008 do Mundial de Fórmula 1, vai receber o troféu Bambi na próxima quinta-feira, durante uma cerimônia de premiação organizada pela mídia alemã.”

O prêmio é exatamente esse da foto aí de cima. A notícia completa está aqui.

Não sei o porquê, mas a informação me remeteu ao acontecimento retratado na foto ai em baixo:

hamiltonsaopaulo

A notícia completa está aqui.

Como indagou meu outro chapa, o Ale: será que goleiro que faz gols não merece esse troféu?

Meu voto teria…

h1

Humor negro

25/11/2008

Eu não vou transcrever aqui a piada que pensei sobre a queda do avião da banda Calypso, porque duas pessoas morreram.
Mas que a piada é boa, isso é.
Aliás, eu preciso aprender a escrever no blog antes do Kibeloco. Ele pensa as mesma piadas que eu penso. mas quando entro no blog dele, já estão no ar.

h1

Alma lavada, cabeça erguida e orgulho de ser Fiel

22/11/2008

Quinta-feira, 20/11

“Tem ingresso ai ainda?”
“Mano, vendi até ingresso de refletor. Não tem mais.”

Sexta-feira, 21/11, 10h45

“Minhas amigas vão vender dois ingressos de Tobogã. Quer?”
“Claro que quero. Roí o osso, não posso ficar fora da festa.”

Sexta-feira, 21/11, 19h15

“Fudeu. Minhas amigas vão usar o ingresso”
“Tudo bem, relaxa”

Sábado, 22/11, 11h35

“O pessoal do TV Fama desistiu de ir ao camarote da Medial. Quer?”
“Por que perguntar ao cachorro se ele quer linguíça?”

Eu mereci estar no dia da festa. Eu estive lá contra o CRB. Vive o único minuto de terror do Corinthians na Série B. Eu sofri contra o São Caetano, desfrutei de momentos de lazer em vários jogos: Marília, Brasiliense, Barueri, Ponte Preta, Juventude, CRB e outras merdas. Vi também os dois jogos contra o Fortaleza (sim, eu estive no Pacaembu e Castelão).

Eu nunca abandonei o Corinthians. Nunca, em 32 anos. Registrei aqui nesse blog cada etapa do pior momento do meu Corinthians. Eu merecia estar no Pacaembu hoje. E graças às boas amizades – e uma bela dose de sorte – eu garanti meu ingresso, de última hora, de camarote, o da Medial.

E dai que é série B? Eu fui mesmo. E vou sempre. Ser Corinthians não é para qualquer um. Qualquer um pode torcer por qualquer time. Aqui é para os fortes de espírito. Diferentemente de outros times, para nós, não importa vencer; importa é ser Corinthiano.

Avai, seja bem-vindo à Série A, o nosso lugar de direito e de fato.

h1

Ah, essa imprensa corinthiana…

20/11/2008

bambinews
Fanfarrões

h1

An?

20/11/2008

Eu: “Alô”

Telemarketing: “Alô, bom dia! Poderia falar com o senhor Fernando BAdo?

Eu: (de bom humor no feriado) “É Ba, querida. Sou eu mesmo.”

TM: Eu sou da Umes (ela mesma, a União Municipal dos Estudantes Secundaristas) e blablabla e o senhor foi selecionado por nossas pesquisas para os cursos de qualificação profissional blablabla para uma maior inserção no mercado de trabalho blablabla 60% de bolsa, já incuso uniforme blablabla”.

Eu: Sei. E que tipos de cursos?

TM: Blablabla, secretariado, hotelaria, informática, idiomas.

Eu: A pesquisa não apontou que eu tenho curso superior e já estou terminando a pós graduação?

TM: (silêncio constrangedor) O senhor é formado em quê?

Eu:A pesquisa não diz?

TM: (silêncio constrangedor seguido de grunhidos de gagueira)

Eu: Querida, eu sei que te mandaram ligar e que você não tem culpa (eu realmente estava de bom humor), mas quero deixar registrado que a Umes não fez nenhuma pesquisa e sim pegou meu endereço, viu que sou morador da periferia e achou que eu não era capaz de ter nível superior ou mesmo um bom emprego só por causa do meu endereço. Obrigado.

TM: Senhor, a Umes agradece, tenha um bom dia.

h1

Um desenho em forma de letras

20/11/2008

Eu não sei desenhar, por isso só posso explicar por escrito aos (e às) caras colegas de comunicação – especialmente de classe.

Sim, eu desejo quebrar os paradigmas da comunicação corporativa! Sim, eu estou aprendendo sobre comunicação para fazer diferente do que vem sendo feito, porque não concordo com tudo que vem sendo feito, só com parte.

È preciso acabar com o binarismo das coisas. Entre o preto e o branco há o cinza. Entre o 0 e o 1 existe o 0,5.

Uma coisa que Eu gosto de preservar os recursos naturais para o futuro, mas isso não quer dizer que vou abrir mão do meu carro, do banho quente ou da minha picanha. A contrapartida e tentar convencer as pessoas a não irem de carro à padaria, apagarem as luzes que não estão sendo usadas, tomarem cuidado com o desperdício de água e reciclar lixo. É muito doloroso entender isso?

O que as empresas precisam entender é que hoje ninguém está a mais de cem metros e uma filmadora, ainda que de celular. Isso quer dizer as pernas da mentira encurtaram ainda mais. POtanto, estou convicto que a postura proativa em admitir falhas pega bem.

Não estou pedindo para nenhuma empresa revelar sua estratégia para o mundo (e para os concorrentes). Tudo o que defendo é a verdade, o respeito com a sociedade (ai devidamente inclusos fornecedores, clientes e imprensa – mas se o mercado fosse ético eu não precisaria fazer essa ressalva).